Voltar
  • 19675797813258a

O COVID-19 teve um impacto importante no setor imobiliário, influenciando, por exemplo, a procura de imóveis. Com o setor a manter uma boa performance em termos de vendas, destacam-se algumas tendências que estão refletidas no “2020 Profile of Home Buyers and Sellers” da National Association of REALTORS® (NAR).

 

O perfil realizado anualmente contém este ano uma secção nova que analisa como a pandemia está a afetar os comportamentos dos compradores, englobando a opinião de 8 mil inquiridos americanos entre julho de 2019 e junho de 2020, que serve como pista para algumas tendências que podemos também encontrar em Portugal.

 

“O coronavírus, sem dúvida, levou os compradores de casa a reavaliarem a sua solução de habitação e até a reconsiderar a dimensão e localização da casa”, refere Jessica Lautz, vice-presidente de insights demográficos e comportamentais da NAR. “Os compradores começaram a procurar casas com mais quartos, mais metros quadrados e jardins maiores, e talvez tenham desejado um escritório ou um ginásio em casa. Procuraram também casas maiores porque o espaço extra permitiu-lhe acomodar parentes mais velhos que começaram também a viver lá em casa.”

 

 

Tendência que surgiram entre compradores durante a pandemia

1. As casas multigeracionais tornaram-se mais populares, tanto por questões de saúde e de necessidade de tomar conta de pais e parentes mais velhos, mas também pela vontade de passar mais tempo com eles, de poupar despesas e de juntar múltiplas fontes de rendimento para comprar uma casa maior.

 

2. As casas compradas foram mais caras do que antes da pandemia.

 

3. O tempo que se espera ficar na casa comprada reduziu significativamente: nos 9 meses antes da pandemia, os inquiridos referiam, em média, que pretendiam ficar 15 anos na nova casa, valor que desceu para os 10 anos com o surgimento da pandemia.

 

4. Há mais inquilinos a tornarem-se proprietários: antes de abril os inquilinos representavam 36% dos compradores e desde então o valor subiu para os 45%.

 

5. Maior tendência para compradores preferirem casas em zonas suburbanas, mas não há um abandono das zonas urbanas, pelo contrário, até há um pequeno reforço.

 

6. O processo de procura tornou-se mais rápido: quem comprou casa desde março procurou apenas 2 semanas antes de contactar um agente, enquanto antes da pandemia esse período era de 3 semanas. Quem comprou após o início da pandemia fê-lo de forma mais estratégica, limitando o número de casas a visitar, que desceu de 9 para 8 antes da decisão de comprar.

 

7. Alguns segmentos de compradores aumentaram. Os casais casados continuam a representar a maior fatia de compradores de casas. Antes da pandemia as mulheres solteiras eram o maior grupo de compradores depois dos casais casados, mas perderam um pouco de peso com a pandemia, enquanto que os casai não casados aumentaram.

 

Baseado no artigo “NAR Survey Reveals 14 Home Buying, Selling Trends Since the Pandemic” publicado em magazine.realtor

Partilhe esta notícia nas redes sociais

Notícias relacionadas

  • Novas tendências do imobiliário
    25 jun 2020
    Novas tendências do imobiliário
    Ler mais
  • As melhores estratégias para gerir o tempo
    18 jun 2020
    As melhores estratégias para gerir o tempo
    Ler mais