Voltar
  • 5110194612883O

Num contexto tão específico como o atual, em que a incerteza é um elemento dominante, há algumas objeções que vão surgir recorrentemente. Saiba como ultrapassá-las e garantir que os negócios avançam com normalidade.

 

 

“Acho que este não é o melhor momento para vender”

É uma sensação compreensível, mas a verdade é que os dados não a sustentam. Olhando para a questão dos preços, por exemplo, em abril, o mês mais rigoroso de confinamento, os preços subiram na mesma, embora a uma taxa inferior do que anteriormente.


É importante que o cliente vendedor perceba que esperar que a pandemia termine tem 2 problemas: o fim da pandemia é uma incógnita; e quando acontecer é provável que muitos vendedores aproveitem esse momento para colocar os seus imóveis no mercado, o que aumentará a concorrência, enquanto que no cenário atual, com menos imóveis à venda, há mais oportunidades para se destacar.

 

 

“Não quero que pessoas que possam estar doentes visitem a minha casa”

Esta objeção pode ser ultrapassada através de cuidados extra, como garantir que os visitantes têm à disposição gel desinfetante, mas também máscaras e luvas para colocarem antes de entrar na casa. Tendo todas as portas e janelas abertas previamente e não permitindo que os visitantes toquem em superfícies, o risco fica muito minimizado.


De qualquer forma, se mesmo assim o cliente vendedor estiver desconfortável, as visitas virtuais são uma boa alternativa, sejam em plataformas próprias ou até mesmo feitas através do whatsapp.

 

 

“As vendas estão paradas neste momento”

É uma falsa ideia, que pode ser facilmente ultrapassada com notícias, dados estatísticos e com a sua própria experiência. Tenha à mão exemplos que possa mostrar de imediato ao cliente, caso esta objeção surja.

 

 

“Tenho receio de visitar casas que não estejam desinfetadas”

As mesmas garantias que dá a um cliente vendedor que tem medo de receber visitantes que possam estar infetados, servem também para clientes compradores que têm medo de visitar casas que possam estar infetadas. Preparar a visita abrindo antecipadamente todas as portas que será necessário abrir, assim como as janelas para garantir que o ambiente em casa é o mais arejado possível, é uma boa forma de passar segurança aos clientes mais reticentes. Importante também garantir ao cliente comprador que não estará ninguém em casa para além de si. E esteja sempre munido de máscaras, luvas e gel desinfetante para evitar que clientes mais esquecidos desistam da visita à última da hora.

 

De qualquer forma, o melhor será minimizar as visitas presenciais, recorrendo às visitas virtuais numa 1ª fase para fazer uma triagem e garantir que o cliente só visita pessoalmente imóveis em que está mesmo interessado.

 

 

Baseado no artigo “How to handle client objections during the pandemic” publicado em inman.com

Partilhe esta notícia nas redes sociais

Notícias relacionadas

  • Proximidade com os clientes em tempo de distanciamento social
    21 mai 2020
    Proximidade com os clientes em tempo de distanciamento social
    Ler mais
  • O estado do setor imobiliário
    21 mai 2020
    O estado do setor imobiliário
    Ler mais