Voltar
  • 3643962896765y

Com a Organização Mundial de Saúde a classificar o coronavírus como pandemia e o Governo a tomar medidas para prevenir a propagação da contaminação, importa estar consciente dos cuidados a tomar, especialmente numa profissão em que o contacto com pessoas é constante. Partilhamos por isso algumas recomendações para que lide com esta situação da melhor forma, evitando riscos para si próprio e para os clientes.



1. Adotar medidas preventivas
Tal como num caso de gripe, os cuidados a ter são muito simples e fundamentais para prevenir o contágio e propagação do virus. Deve por isso:
• Ficar em casa se tiver febre, tosse, falta de ar ou outros sintomas associados à gripe;
• Lavar as mãos frequentemente com sabão e água pelo menos durante 20 segundos ou aplicar álcool em gel;
• Não tocar nos olhos, nariz e cara sem ter as mãos lavadas;
• Evitar contacto com pessoas doentes;
• Limpar e desinfetar frequentemente objetos e superfícies tocadas;
• Espirrar para o cotovelo ou para um lenço de papel, nunca espirrar para a mão ou sem tapar a boca;
• Manter uma distância de segurança e evitar contactos físicos.

 

2. Não ter comportamentos discriminantes
O facto de o vírus ter tido origem na China e estar mais disseminado em países asiáticos e Itália, não justifica ações de discriminação de pessoas dessas nacionalidades, pelo que devem ser tratados da mesma forma que clientes de outras naturalidades.

 

3. Trabalhar a partir de casa
Trabalhar a partir de casa e realizar todas as reuniões possíveis por Skype ou Whatsapp é a melhor solução neste momento. É conveniente limitar o número de visitas por dia, para limitar o contacto com pessoas. E nos casos em que tenha de haver encontros em pessoa, manter as regras de prevenção: manter distância de segurança, sem contacto físico e álcool em gel sempre à mão. E se algum cliente manifestar algum desconforto com estas preocupações, lembre-lhe que o está também a proteger a ele, porque se tiver o vírus poderia estar a contagiá-lo.

 

4. Colocar questões de despistagem
Preventivamente, pode questionar os clientes se estiveram recentemente em algum país considerado de alto risco pelas entidades de saúde ou questionar se estiveram em contacto com alguém doente, mas tem de fazê-lo consistentemente a todos os clientes e não apenas a alguns e limitar-se àquilo que as entidades de saúde consideram fatores de risco.

 

5. Não transportar clientes
Nos tempos que correm, e tendo em conta o respeito pela distância de segurança, o melhor mesmo é não transportar clientes no seu carro e combinar encontrar-se com eles na casa que vão visitar. Este procedimento deve ser adotado também consistentemente, para todos os clientes e não apenas para alguns. 

 

Siga estas recomendações, não entre em pânico, informa-se junto de fontes oficiais ou da comunicação social de referência e, acima de tudo, tenha bom senso.

 

Adaptado do artigo “Coronavirus: A Guide for REALTORS®” da National Association of REALTORS®

Partilhe esta notícia nas redes sociais

Notícias relacionadas

  • 1ª comitiva portuguesa na Conferência Anual da NAR
    22 nov 2019
    1ª comitiva portuguesa na Conferência Anual da NAR
    Networking, formação, motivação e reconhecimento foram os elementos chave de uma viagem histórica...
    Ler mais